Cap.55_ Eu, Alexa e toda a geração que não fez porra nenhuma

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×

– Nossa geração não faz porra nenhuma!
Alexa gritava entre paredes brancas coladas com sacos de lixo pretos vazios. A gente tinha dado uma festa na nossa casinha de Pinheiros e ela tinha tido a idéia de forrar as paredes recém pintadas com os sacos pra não sujar a tinta nova. E os sacos ficaram alguns dias lá, colados, vazios, como lágrimas negras de petróleo escorrendo pelas paredes. A noite anterior no Madame Satã tinha sido uma bosta. O ácido ingerido deu uma onda toda errada. Vi um destes cantores mauricinho de uma bandinha qualquer, comendo alguém no sofá do porão da boate. As paredes negras, suavam. Os punks tomavam toda a pista de dança dando socos no ar. Os carecas do lado de fora, enfiavam porrada na galera, obrigando-nos, com esta trip horrorosa, a continuar dentro do Satã. E no dia seguinte a já prometida rebordosa.
– O Rock, a discoteca, Os anos 60, 70. Quanta coisa aconteceu? Uma porrada!
Cheiro de cigarro e bebida evaporada no ar. Ela muito revoltada, continuava a gritar, com sua voz típica de fundo de barril, ainda meio bêbada da noite anterior. Empunhando uma vassoura, bufava enquanto tentava organizar a casa.
– Nossa geração é uma bosta!
Na festa de alguns dias atrás na nossa casinha, vieram alguns amigos que tinham uma banda de rock.  A própria Alexa foi empresária de um destes grupos. Uma galera que vinha de Brasilia e se acomodava pelo Bexiga. Fazia-se o de sempre, dançava-se The Cure, The Smiths e tomava-se as drogas disponíveis conforme a disposição financeira de cada um. E vivia-se em busca de algo à mais.
– A gente não faz merda nenhuma. Nem revolução, nem música inovadora, nem nada…
Na semana anterior, um amigo dela de Brasilia veio nos visitar. Já devia passar do meio dia, o cara tinha virado a noite e falava horrores. Quando ele saiu, Alexa me encarou pasma.
– Nunca vi esse cara falar assim! Em Brasília ele era super tímido. Impressionante.
Naquela noite a gente veria o show de uma banda de rock punk. Alexa tinha tido um caso com um dos integrantes que nos deu os ingressos. Colocamos de novo os modelitos dark, batom negro, muitas tachas e cintos jogados no corpo, e fomos mais uma vez frustradas viver os vazios e insignificantes anos 80…

Resumo da ópera: o mauricinho de uma bandinha qualquer que estava comendo alguém no porão do Satã era o Cazuza. Alexa, ainda na época que morava em Brasilia, foi empresária do Plebe Rude. Os amigos músicos que vieram na nossa festinha tinham uma banda de rock que chamava Capital Inicial. O amigo que veio nos visitar e falava horrores era o Renato Russo. A banda de rock punk era os Titãs.
Como eu e Alexa poderíamos imaginar que nós estávamos, naqueles dias, ora sombrios, ora de um calor insuportável, vagando por São Paulo, fazendo a história dos anos 80? Tanto a história que ficará pra sempre escrita, ouvida e filmada, tanto quanto a nossa própria história, onde os cazuzas, russos e brancos são os figurantes, e nós os protagonistas. Compartilhamos dos mesmos momentos que não serão eternizados, afinal a verdadeira revolução não será televisonada. Um dia morreremos com o tudo e o todo vividos. Das nossas células entranhadas na terra brotará petróleo pra que se faça sacos de lixo pra que alguém em algum lugar do tempo e do espaço, use pra cobrir paredes de uma casinha pra dar uma festa pra uma geração insignificante que não faz porra nenhuma.

CI_LU_BV_TT

 

 

Schreibe einen Kommentar

Deine E-Mail-Adresse wird nicht veröffentlicht. Erforderliche Felder sind mit * markiert.