Costurando o amor

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×

A autenticidade do amor não consiste apenas em projetar nossa verdade sobre o outro e, finalmente, ver o outro exclusivamente segundo nossos olhos, mas sim de nos deixar contaminar pela verdade do outro.

Edgar Morin

como se o amor se dedicasse a uma costura, o ponto certeiro, a agulha furando o pano, riscando o ar como foguete para voltar um pouco mais à frente e furá-lo de novo, sempre seguindo, ano após ano, trepada após trepada, filho após filho. olha-se para trás e vê-se uma bainha de vida inteira feita. ora espaçada, torta; ora certinha, lindinha. mas como seria se agora a linha resolvesse arrebentar? e o pano fosse elástico? com um puxão, a costura se esvairia em um fio sem rumo.

ela tinha certeza do amor dele, menos porque ele declarava isso em momentos íntimos, mais porque ele estava ali, presente todos esses anos. porém a vacina de criança lhe surtiu efeito eterno no sistema imunológico emocional. pai morto, padrasto ausente. saiu pra trabalhar e não voltou. um porque morreu, outro porque era assim que tinha que ser. toda a presença de sempre e a confidência dos agoras poderiam se soltar da costura e saírem voando. fio solto.

e ela meteu na cabeça que queria abrir um restaurante.

mas como? você tá louca?

é coisa pequena, comida gostosa, boas cachaças…

e as crianças? e a gente?

ah, a gente se vira. elas já estão grandes…

é muito trabalho, você sabe.

eu sei, mas eu quero.

mas e o tempo? o estresse que tudo isso acarreta?

a gente consegue, eu consigo.

é um risco muito grande, a europa tá em crise.

eu sei, eu sei, mas eu quero…

eu não quero mudar de profissão…

nem precisa, eu quero entrar nessa sozinha.

ela volta e meia falava no assunto. o tempo foi passando, e ele sempre fugia ou a enfrentava com os mesmos argumentos. até que, um dia, ela decidiu colocar o plano em ação. começou a estudar pra prova de concessão. ele deu uma olhada na matéria.

nossa, tudo isto?

é, direitos do trabalhador, prevenção de acidentes, conservação de alimentos, impostos…

bastante coisa, hein?

pois é. mas tenho tempo, a prova é só daqui a um mês.

ele não quis desanimá-la, mas achou que seria bem difícil ela passar nessa prova.

no dia seguinte, ele voltou de um encontro de trabalho empolgado.

passei pela rua tal e vi isto aqui. ele mostra as fotos no celular.

um local pra alugar. o que você acha?

vitrines empoeiradas, localização duvidosa. ela passou os olhos rapidamente pelas fotos e olhou longamente pra ele. sorriu.

você gostou?

sim, legal.

ela mentiu. nem o espaço nem a localização eram adequados. mas estava imensamente feliz. lembrou a cena do leaving las vegas em que a namorada dá de presente a um nicolas cage alcoólatra uma garrafinha de metal pra encher de bebida, e, no filme, o cara se emociona muito com o gesto.

naquele momento, ela percebeu que era mesmo amor o que ele sentia. uma foto de vitrines empoeiradas deu a ela toda a dimensão do sentimento que ela já tinha recebido, mas não sabia bem interiorizar. a vacina perdeu a validade.

a linha termina uma bainha, a agulha fura o ar e, antes de penetrar novamente no tecido, pirueta-se em si mesma, entrando no “O” feito do próprio corpo. fura, volta, mais uma autopirueta, “O” adentro. arremate. Agora. sim, o fio – esse pedaço que resta para fora da costura – pode se despedir do pano… 

O amor é a percepção extremamente difícil de que algo além de nós é real.

Iris Murdoch

O sexo é consumo. O sentimento é invenção contínua.
O amor é a verdadeira revolução.

Alain Badiou